segunda-feira, 2 de março de 2009

02/08 - 02/09

Um ano de blog.

Cento e poucas postagens sobre as coisas mais aleatórias do mundo. Um pouquinho do que eu sinto, muito do que eu penso, experiências.

Volta e meia me perguntam se eu tenho o blog para mim ou para os outros. A resposta é, sem dúvida, as duas coisas.

Para mim, porque para escrever eu me permito parar, pensar, organizar as idéias e tirá-las da cabeça (ou do peito). Processo terapêutico mesmo, de alívio e prazer. Muito do que vem para o blog não se conversa em uma mesa de bar, e mesmo que se converse, o processo é diferente. A reflexão solitária é fundamental. As conclusões, outras.

OK, muito bonito mas não é só isso.

Não basta sair de mim, tem de ecoar por aí. Com o blog, o que eu escrevo de alguma maneira transforma, movimenta, provoca reações.

Incrível como as pessoas realmente lêem blogs. Além dos comentários, encontro sempre uns e outros por aí que comentam sobre os posts, acompanham, se identificam. Bom demais isso. Delícia perceber que o que eu escrevo pode de fato fazer alguma diferença. Delícia perceber que essas pessoas que me acompanham no blog me conhecem muito bem, mesmo que a gente nunca tenha se visto, e sabem mais sobre mim do que muitos dos amigos meus.

Coisas da modernidade das relações virtuais.

Mãos à obra, pois. Escrever sobre o que dá vontade é um grande barato. Que venha mais um ano de retalhos aleatoríssimos ecoando por aí.

Um comentário:

Georgiana disse...

de vez em quando eu aporto aqui e leio vc! Adoro! Você e a Tatiana suavizam um bocado minha vida. Eu não sou cotidiana e nem tão desbocada. Sou um tico mais sombria. Um dia, eu saio do casulo e viro borboleta colorida.