quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Suzy

Ela chegou toda de branco.

Em um mar de mulheres de negro, sapatos, meias, saias, colants, elásticos de cabelo negros, ela chegou chegando. De branco.

Só dava ela. Mesmo. Sabe quando uma bailarina usaria uma roupa toda branca para ensaiar? Ainda mais em um workshop para a montagem de um musical como Chicago? Nunca. Nunquinha, never, jamé. Branco engorda, dizem. Pois ela se deu a esse luxo e arrasou.

- Suzy, menina, que linda! Toda de branco...

- Às sextas-feiras eu só uso branco. Sempre, há anos.

- Ah...

Com vocês, Suzy Rego.

Aquele foi o último dia do workshop. Conheci pessoas especiais ali, dessas figuras que passam rápido pelo nosso caminho e desaparecem, deixando lembranças que volta e meia surgem e fazem o canto da boca subir.

Nunca mais vi a Suzy, pelo menos não pessoalmente. Vejo às vezes na TV ou no teatro por aí. Uma simpatia. Uma imagem que eu não esqueço. Ela entrando, toda reluzente, destoante, no meio do trivial. Estrelas, algumas pessoas têm estrelas.

3 comentários:

Tatiana disse...

Você sabe porque ela não casou com o Paulo César Grande, né?
Pra não virar Suzy Rego Grande...

desculpe..não resisti.

Morena disse...

Isso é que é saber fazer a diferença !!!!

Arnaldo disse...

Vi a Suzy Rego uma vez, bem de perto. Fiquei impressionado. Uma mulher enorme, bonitona, boazuda.