sábado, 27 de setembro de 2008

Crise

É só começar uma crise braba que as pessoas resolvem lembrar que você é economista.

E aí Ju, o que vai ser dessa crise? O que a gente deve fazer?”

Como eu gostaria de ter essas respostas. A verdade gente, é que, economista ou não, ninguém sabe mesmo. A crise mais do que anunciada veio em uma intensidade tal que qualquer um que diga saber o desenrolar dos acontecimentos ou é médium ou é enrolão dos bons. Ou os dois, o que aliás é bem comum.

De todas as piadas de economista que circulam na faculdade, duas ajudam a entender mais ou menos o que se passa num momento como esse. A primeira é que economista estuda para fazer um monte de estimativas para o futuro e depois estuda de novo para tentar explicar o porquê de as tais estimativas não terem dado certo. Qualquer um que acompanhe minimamente o Jornal Nacional sabe do que eu estou falando...

A segunda é que em economia, se a prática não confirma a teoria, abandona-se a prática. Há-há. Parece piada mas tá cheio de economista que não acha isso tão absurdo assim. Bom, isso tudo para dizer que dá até para arriscar alguns palpites sobre o futuro no curto e médio prazos, mas atentem para a palavra cuidadosamente escolhida: palpites.

Nesse caso, a previsão de um economista, apesar de embasada em análises de palavrões como nível de reservas, condições do crédito internacional, preço das commodities, nível de investimento direto externo, balanço de pagamentos, taxa de juros e inflação, está longe de poder ser tomada como verdade.

E como a última coisa que eu quero é ficar falando economês aqui no blog, até porque eu gosto da visita de vocês e sei o dano que isso faria à minha imagem, deixo aqui somente algumas poucas e meio óbvias sugestões para o brazuca comum, pequenininho, passar mais ou menos ileso por essa crise mundial: 1) evite assumir contas em dólar para pagamento futuro, adie o máximo que der até que a situação esteja mais calma e clara; 2) se tiver dinheiro aplicado em ações não saia vendendo agora, espere pois estamos em uma baixa e uma hora ou outra a bolsa vai voltar a subir; 3) se tiver dinheiro para aplicar, comprar agora ações bem escolhidas pode ser um ótimo investimento; 4) as condições de crédito devem piorar com maiores restrições e taxas, portanto seus planos de compras grandes financiadas podem ser comprometidos pelo menos até a coisa acalmar; 5) a inflação pode aumentar e a economia deve esfriar um pouco nos próximos meses, mas quanto a isso não há nada que a gente possa fazer.

Por enquanto é só. Se quiserem saber de coisas para um futuro mais distante, no meio dessa crise e dessa incerteza generalizada dos mercados, uma consulta à Mãe Dinah será provavelmente tão precisa quanto a minha econômica opinião.

2 comentários:

Paula Zumbaio disse...

Tem duas piadas de economista que eu adoro, uma é:
Um grupo de economistas estava fazendo escalanda acabaram se perdendo. Um deles estudou um mapa por algum tempo, virando-o para todos os lados, buscando por pontos de referência e consultando a sua bússola finalmente disse:
"Vocês estão vendo aquela montanha lá em frente?"
"Sim", responderam os outros.
"Bem, de acordo com este mapa nós estamos bem em cima dela..."
hahahahha..adoro!
E a outra é essa: Um estudante estava assistindo a uma aula de economia e acabou caindo no sono. O professor irritado aproximou-se do aluno e bateu na carteira exigindo a resposta de uma pergunta que ele havia acabado de fazer. O estudante acordou, balançou a cabeça e disse:"Desculpe professor. Não sei qual foi a pergunta, mas a resposta é: 'aumente a oferta de moeda "..hahahaha muito boa!

Juliana Hilal disse...

Hehehehe
Muito bom, Paulinha.
A da montanha é a melhor.
Povo maluco esse...
:)