quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Demo...cracia

A idéia da democracia é fantástica. Coisa de grego, como aliás, quase tudo de realmente brilhante da nossa civilização ocidental.

O problema é que a forma como ela está organizada é uma verdadeira piada de mau gosto.

Há algumas semanas saiu uma matéria em um jornal americano em que o repórter perguntava a opinião da galera a respeito dos programas do Obama e do McCain para saúde pública, educação, incentivo à economia e coisas do gênero. Necas, o povo não tinha a menor noção. Pois não é que quando ele perguntou sobre a gravidez da filha adolescente da Sarah Pallin, candidata a vice na chapa do McCain, todo o mundo sabia em detalhes do que se tratava e tinha uma opinião mais do que formada sobre o assunto?

Agora me diz se o povo não é retardado. Eles vão ter daqui a um mês que escolher o cara que vai decidir o futuro deles, que vai tomar decisões importantíssimas que vão afetar não só os americanos mas o mundo todo e os tapados não fazem a menor idéia de que tipo de mané estão colocando no cargo.

O mesmo acontece por aqui. O povo sabe nadica de nada dos programas e está pouco se lixando. O voto acaba indo para o bonitão, o simpático que apertou a mão do tiozinho, que pagou uma parte do telhado da dona, que prometeu construir um dia a passarela perto da casa do seu Zé e por aí vai. Conhecer, mesmo, os programas de governo ninguém conhece. Dá para cobrar depois? Lógico que não. Para complicar tudo ainda mais, existe por aqui um hábito mega incômodo dos nossos maravilhosos políticos que é de usarem o dinheiro público como se deles fosse. A tchurma da vida boa rouba mesmo, favorece amigo em licitação, aprova emenda na base da mala de dinheiro, emprega irmão, tio, vizinho, calopsita e o que mais der para encaixar no gabinete. Uma malandragem sem limite.

Adianta a idéia bonita da democracia? Nope. E o pior de tudo é que eu gosto de votar. Gosto mesmo. Me agrada essa coisa de ser cidadã, de expressar a minha vontade e a minha opinião, de ver o meu nome no livro de votação exatamente como o de todos os outros brasileiros, todos idênticos, do mesmo tamanho, recebendo o mesmo papelzinho, independentemente de serem famosos, ricos, empresários ou serventes.

Pena que esses cidadãos, todos iguais, sejam tão igualmente desinformados a respeito dos valores e das idéias que realmente importam na escolha de um candidato, e uma pena ainda maior que esses políticos malditos ignorem que são brasileiros e servidores do público e passem os seus mandatos a sacanear em tudo e a todos com o único objetivo de colocar o burro na sombra para o resto da vida.

Ah se os gregos soubessem onde isso tudo iria parar... Rasgavam a camisola branca.

3 comentários:

Candy Girl disse...

Coisa maluca isso né Ju, mesmo com a picaretagem total a gente gosta de votar... Pela primeira vez não votei e não é que senti falta!
bjuuus

Juliana Hilal disse...

Pois é, Can. Eu te entendo. Várias vezes fiquei tentada a facilitar tudo e justificar o voto mas acabei dando um jeito e indo votar. A gente é meio besta mesmo, idealista...melhor assim.
Beijão querida!

Mazinha disse...

Acho que a democracia precisa de gregos instruídos (preferencialmente sarados como os deuses e deusas do Olimpo) para funcionar em sua totalidade.
Lá eles se preocupam mais com a fofoca e moralismo de gravidez da filha da vice. Aqui a gente vota no Feliciano dos animais, no Clodovil que num faz idéia do que faz, no Mluf, no ACM... é uma loucura!