terça-feira, 12 de agosto de 2008

Vovó e a Trilha

A minha avó fez trilha comigo esse fim de semana. Trilha mesmo, nada de estradinha de terra ou passeio no bosque. Trilha com troncos, pedras, lama, subidas, descidas e uma nascentezinha de rio lá em cima como recompensa. Coisa mais linda, não a trilha, a minha avó.

Ninguém botava fé em que ela iria realmente encarar o caminho. Ela sempre foi super urbana, caseira, mãe exemplar, avó maravilhosa, mulher by the book. Nunca fez trilha na vida, longe disso. 78 anos de idade. Pois não só encarou o caminho, como o fez com um bom humor de dar gosto e um bom gosto de babar, com direito a colares, brincos, pulseiras e um par de chinelinhos de sola lisa, porque usar tênis, nem pensar. Vaidosa... Essa mulher é demais.

O percurso não foi fácil, ela passou por alguns obstáculos complicados, riu dos seus pequenos escorregões amparada pelas nossas mãos e se esbaldou. O seu sorriso aberto naquele ambiente tão diferente de tudo a que ela está acostumada e rodeada pelos seus entes próximos e queridos é uma das imagens mais deliciosas que vou guardar comigo. Esse tal amor incondicional é mesmo uma coisa louca.

O passeio foi um presente inesperado, uma passagem por uma trilha desconhecida ao som de histórias e risadas de pessoas que me conhecem desde sempre e que são a minha referência, minha base primordial. Lavagem de alma das boas, dessas que não se programa, que a conjunção das coisas te proporciona e que você simplesmente aproveita e registra lá no fundo do ser e em uma câmera digital, se tiver sorte.

































9 comentários:

Candy Girl disse...

Que linda sua avó Ju! Quanta energia menina, agora sei pra quem vc puxou ;)
Saudade,
bjinhos

Tatiana disse...

Linda mesmo a sua avó!
Exemplo, né?

Juliana Hilal disse...

Ah meninas, a minha vó é um dos meus grandes amores e sem dúvida um exemplo sem igual.
Esse passeio com ela foi mesmo um presente, assim como ouvir as suas histórias. Ela me conta as coisas da vida com os olhinhos brilhando e se emociona toda, principalmente quando falamos do meu avô. É lindo.
Linda.
Beijos da neta coruja.

Marina F. disse...

amei, que show, uma graça!
bjs.

Marilza disse...

Oi Juliana
Sou sua prima, te achei pelo orkut da Lucy.
Estou emocionada em ver a tia Nair, que coisa linda!
Você escreve muiiiito bem, me fez chorar.
beijos

Juliana Hilal disse...

Oi Marilza,
Que bom que você gostou.
Uma delícia ver a vovó (tia Nair) assim, né?
Beijos

Li de Oliveira disse...

Provavelmente quando se chega aos 78 anos se percebe que ainda há muito por se viver, e então 1 ano para nós tornam-se 5 para eles. Vida para quem quer vida!!! E eu como vim parar aqui?? Por essas trilhas cibernéticas........ Bonita a sua casa.

Juliana Hilal disse...

Oi Li de Oliveira,
Concordo com você. Espero chegar lá em condições de descobrir essa sensação...rs
Bem vinda!
Beijos

Serjones disse...

conta pra gente onde é essa trilha!